Turismo Consciente do Litoral de São Paulo = Blog Caiçara!.............Caiçara Expedições Agência de Viagens e Turismo...........Receptivo Baixada Santista - Litoral de São Paulo....Seja Bem Vindo!

..:: Pesquisa Blog Caiçara ::..

quarta-feira, 1 de fevereiro de 2012

A Verdadeira História de Pescador: José Altheman ou Zé do Boné

Por..:: Leandro Altheman*
 
Muita gente em Praia Grande ainda deve se lembrar da emblemática figura que todas as manhãs saia para pescar no “Casco do Navio”, retornado quase sempre, com sua fieira repleta de robalos, embetaras, por vezes algum baiacu, que por saber lhe tirar o veneno, não dispensava.

“Zé do Boné” era o apelido entre os amigos pescadores do Sr. José Altheman.

Natural de Amparo, na região serrana de São Paulo, José iniciou cedo a vida na roça, como a maioria das pessoas de sua geração. Nascido no ano de 1920, neto de uma família de suíços alemães que chegaram ao Brasil nos primórdio da imigração. Contudo, não chegou a conhecer seus ascendentes. Jovem, mudou-se para Campinas-SP para trabalhar nos cafezais da região. 

Aos 18 foi viver finalmente em São Paulo, por ocasião do serviço militar. Ingressou como operário em diferentes fábricas, ficando mais tempo em uma das empresas do grupo Souza Cruz, que produzia as embalagens para cigarros. Foi pioneiro na luta dos trabalhadores daquele tempo e membro fundador do sindicato dos gráficos, e como tal, lutou por melhores condições sanitárias para os operários.

Começou a freqüentar o balneário ainda na década de 60, antes da emancipação política de Praia Grande. Onde passou a dedicar-se à pratica da pesca esportiva no casco do navio

 ..:: A Pesca como Estilo de vida
Após a sua aposentadoria em 1971, mudou-se definitivamente para Praia Grande, no Boqueirão. Em pouco tempo, a pesca deixou de ser uma atividade meramente recreativa, para tornar-se um estilo de vida.
 
Acordava antes do sol nascer, preparava suas iscas e partia em direção ao mar, não sem antes consultar a tabela de marés. Além da vara e do molinete, levava consigo outros apetrechos a maioria, de fabricação própria. Como por exemplo os “porta-iscas” – pedaços de cano furados com uma tampa presa a um elástico, aonde iam os “pitus” que ele mesmo criava em tanques.

A caixa de isopor com o restante das iscas ficava na praia, protegida às vezes por um guarda- sol, enquanto José entrava na água, atravessando a nado o primeiro e o segundo canal. Por horas a fio, permanecia de pé, lançando o anzol com a isca no cardume que seus olhos pareciam enxergar sob as ondas. 

Foram raras as ocasiões em que voltou para casa sem peixe ou “comeu ovo” como dizem no linguajar dos pescadores.

José por sua experiência e destreza, ganhou o respeito dos demais, trazendo fieiras cheias de belos robalos, que mais tarde comeríamos fritos. Para proteger do sol uma pequena área calva em sua cabeça, nunca deixava de usar um boné, o que lhe valeu o apelido de “Zé do Boné”.a sem peixe ou “comeu ovo” como dizem no linguajar dos pescadores.

Em novembro de 1980, veio o seu maior feito como pescador. Retirou das águas, exatamente do “Casco do Navio”, (até onde eu saiba) o maior exemplar de robalo já pescado naquela área e sob aquelas condições: 17.900 gramas e 1 metro de dez centímetros de comprimento.

E para não virar “história de pescador”, foi tudo documentado em fotos. O narrativa emocionante da luta do velho pescador com aquele peixe valente foi ao ar no programa “o pulo do gato” da rádio bandeirantes. Uma história que nos faz lembrar o “Velho e o Mar” de Ernest Hemingway.
 
Zé do Boné e o robalo de quase 18 quilos foram retratados também em uma matéria da Revista Acampamento, especializada em caça e pesca.
 
..:: O “corrupto” 
Na década de 80 mesmo, começou a se popularizar entre os pescadores o uso do “corrupto” como isca. 

Meu avô não soube dizer exatamente quem trouxe a moda entre eles. Mas o fato é que o “corrupto” sempre esteve lá, naqueles insuspeitáveis “furinhos” respirando sob a areia. As bombas feitas de cano de PVC, como um êmbolo de sucção revelavam o aspecto inédito daquela criatura que parecia ter saído dos filmes de ficção. Ao invés de patas ou nadadeiras, anéis circulares, e uma casca quase translúcida que revela todo o interior do bicho, às vezes somados de milhares de minúsculas ovas avermelhadas.
 Era divertido acompanhar meu avô na “prospecção” ao “corrupto”, quase sempre era acompanhado por dezenas de turistas interessados naquela estranha atividade. 

No fim, “corrupto”, acabou por quase aposentar o “pitu”. 

..:: Vivência
Os dias, horas e minutos que passei ao lado de meu avô foram para mim inestimáveis. Hoje
vivendo na Amazônia percebo o valor que os índios dão para o contato direto entre avôs e netos. A transmissão do conhecimento vivo de uma geração para outra é um tipo de aprendizado que jamais escola alguma poderá substituir. É o tipo de saber que transcende as disciplinas dos bancos escolares e que se torna presente na alma, de modo indelével.

Ainda hoje me lembro da cor do nascer do sol da janela de meu avô e de sua disposição em sair para pescar. Do cheiro de maresia em suas roupas, de como mesclava tão bem seus modos severos com um senso de humor incrível. Guardando em um sorriso discreto um indisfarçado prazer em estar vivo. Sou grato à Deus por ter tido esta oportunidade de convívio com meu avô.

..::Partida
Os anos de pescaria lhe deram muita saúde e disposição física. Não me lembro dele doente ou queixando-se daquelas dores que são sempre comuns à terceira idade. Tinha uma saúde e uma disposição de ferro.
Talvez por isso mesmo, fomos todos pegos de surpresa quando no dia 12 de outubro de 2005, José Altheman ou “Zé do Boné” fez a sua passagem.

Era um dia comum e naquela manhã mesmo ele havia ido pescar, trazendo consigo alguns robalos. Limpou os peixes, como era acostumado, guardou-os no freezer, tomou um banho e deito-se para esperar o almoço. Acordou com uma forte dor no peito e depois de recobrar os sentidos, teve tempo apenas de se despedir da sua “Nêga”, Dona Hilda Favalli Altheman, que o acompanhava há mais de 50 anos.

..:: Despedida
Trabalhando como reporter de rádio na distante Cruzeiro do Sul-AC extremo oeste do Brasil recebi a notícia entre uma reportagem e outra. Chorei muito, não pela inevitável morte ter chegado para meu avô, mas por não ter podido me despedir convenientemente.

Notei que horas antes de receber a notícia enquanto fazia uma reportagem que meu jeito bem-humorado de viver me lembrava muito de meu avô. Recordei dos ensinamentos dos índios que dizem que nossos ancestrais vivem em nós e em toda natureza à nossa volta.

Embarquei no primeiro vôo para São Paulo, ainda a tempo da última despedida. Conforme seu último desejo foi cremado e eu, seu neto mais velho, tive a honra de lançar suas cinzas no mar em que sempre esteve sua vida. 

Suas cinzas receberam o abraço final da Rainha do Mar, a quem eu rogo que o tenha em bom lugar.
*Leandro Altheman é jornalista e vive em Cruzeiro do Sul-AC. É autor do blog Terranauás.


***Gostaríamos de agradecer publicamente  ao Jornalista Leandro Altheman por compartilhar a linda História. Nossa conversa começou com um belo relato em uma postagem no Blog Caiçara no início de janeiro. Na ocasião convidamos o mesmo a relatar histórias e enviar imagens do Pescador José Altheman, o "Zé do Boné". Eles nos enviou as informações, as quais compartilhamos agora com vocês. Esta é a função do Blog Caiçara, divulgar e multiplicar. Caso você,  leitor do Blog Caiçara queira publicar matérias, imagens ou até comentar publicações entre em contato conosco!!

(fatos_históricos, fotos_antigas)




 
Comentários
3 Comentários

3 comentários:

  1. Fico muito feliz que a tenham publicado no Blog Caiçara. como já disse anteriormente, parte importante da minha vida foi em PG e ao lado de meu avô. Oportunamente farei outras postagens. caso seja do interesse de vcs posso fazer uma postagem sobre o ecotursimo no Acre, que está em vias de implantação, mas tem grande potencial tb.
    Obrigado
    Leandro Altheman

    ResponderExcluir
  2. Olá Leandro!!!

    fique à vontade!!!

    Agradecemos

    ResponderExcluir
  3. Olá, achei interessante suas histórias.
    Quando puder apareça no Vida de um Carreteiro.
    Seja bem vindo.
    Um abraço.

    ResponderExcluir

A Caiçara Expedições agradece sua participação!
obs: Os comentários são moderados.

Mantenha contato! Muita Luz>>>

Prêmio Top Blog 2013/2014

Prêmio Top Blog 2013/2014
1º lugar "Oscar dos Blogs Brasileiros" na categoria Viagem e Turismo Profissional, pelo voto popular.

..:: Últimos Posts ::..

..:: O nós é feito de eus ::..

..:: Feito com Muito Carinho ::..

..:: Feito com Muito Carinho ::..