Turismo Consciente do Litoral de São Paulo = Blog Caiçara!.............Caiçara Expedições Agência de Viagens e Turismo...........Receptivo Baixada Santista - Litoral de São Paulo....Seja Bem Vindo!

..:: Pesquisa Blog Caiçara ::..

segunda-feira, 14 de janeiro de 2019

Qual a diferença entre Memória e História?

Por..:: Renato Marchesini

A História não é apenas o registo dos acontecimentos mais importantes e a memória dos heróis e personalidades. A História é também o registro das pessoas anônimas, daqueles ditos sem história. No mais ambígua separação de conhecimentos e saberes.

Segundo RODRIGUES (2017), a história é uma análise crítica do passado e um estudo do presente a partir do passado. Fazer história é um trabalho intelectual. Mais que tentar restaurar memórias tem que criticar as fontes que usa, entender como foi usada, utilizar teorias e realizar interpretações do passado. Muitas vezes o trabalho do historiador acabam deslegitimando algo construído pela memória.

História: Como disciplina se firma como saber verdadeiro sobre o passado. O passado é verificado como condição concreta da existência. O Historiador fala a partir de documentos através de crítica e análise. História: é o registro concreto, oral, escrito, ou arqueológico, da vida e da cultura de uma determinada pessoa, cultura, civilização ou grupo social. Lugares da história como um modo de memória.

História como produto social: lugares sociais da história. Interação com memória e representações coletivas. É uma produção social mediada pelos lugares. Lugares de memória: complexidade dos grupos/ conflitos/ ações.

Deve-se refletir também sobre a história e suas relações com poder. A destruição das memórias coletivas. A visão particular x verdade universal.

História X Memória
  • Relação positiva: história enriquece representações da memória coletiva. Pensa a si e sua relação com o passado.
  • Relação negativa:  história se volta contra a memória. Função de construir um saber sobre o passado como verdade.


Memória: lembrança/recordação que se tem de algo que já tenha ocorrido, e à exposição de fatos, dados ou motivos que dizem respeito a um determinado assunto. É o fragmento abstrato, imaterial, da vida e da cultura de uma determinada pessoa, civilização ou grupo social.

Lembrança significativa. Processo socialmente condicionado de reconstrução que se apoia em estruturas sociais e rituais de comunicação. A Identidade social e a Identidade coletiva – memória de grupos, memória presente não neutralizada pelo universalismo da História científica. É a lembrança do espaço social do presente.

Subsistente: o que sobrevive do passado no presente no sentido de preservação e reprodução da sociedade.

Princípio ativo: trabalho, reflexão sobre o passado. Instrui ação de indivíduos, grupos e sociedades/ Sentido da diferença, das transformações, da afirmação da eficácia transformadora do tempo. Futuro. Poder humano sobre a história. Desnaturalização do tempo.

A memória é o conhecimento do passado que é capitaneado e guiado pelo presente, conhecimento que bebe das lembranças individuais de cada sujeito, mas também de jogos de poder e interesse. Que não necessariamente passa por pesquisa e crítica de fontes e etc... Normalmente a memória glorifica ou demoniza o passado ou parte do passado, aquilo que quer lembrar. E ela carrega julgamentos morais a respeito dos eventos que ela lembra que podem ir mudando com os anos de acordo com o interesse e disputas atuais. E convenientemente a memória esconde elementos do passado que não servem a narrativa que se quer defender. (RODRIGUES, 2017).

A Memória Coletiva:  É também campo de conflitos: memória hegemônica X memórias de grupos. Memórias distintas / Contraditórias.  Impulsos internos/externos. Sociedade/ teorias da história. Grupos dominantes: sua própria memória. Sínteses globais múltiplas e não unívocas.

“Memória e história são coisas diferentes, mas dialogam e uma pode ser a fonte para a outra.” (RODRIGUES, 2017).

Referência
RODRIGUES, Icles. Qual a diferença entre Memória e História?: Leitura ObrigaHistória, 2017. Disponível em: < https://www.youtube.com/watch?v=XRDzvuc4AAU >. Acesso em: 14 de janeiro de 2019.





quarta-feira, 2 de janeiro de 2019

SANEAMENTO BÁSICO / TURISMO: A importância do esgotamento sanitário em cidades turísticas


O turismo é uma atividade econômica que não se desenvolve adequadamente em regiões com falta de água tratada, coleta e falta de esgotamento sanitário. A contaminação do ambiente por esgotamento compromete, ou até anula, o potencial turístico de uma região.

O estudo “Benefícios Econômicos e Sociais da Expansão do Saneamento” (2017) mostra que se houvesse saneamento básico adequado em todas as áreas urbanas do país poderiam ser quase 7 milhões de pessoas ocupadas no setor. Isso indica que em 2015 houve uma perda 200 mil postos de trabalho devido à falta de saneamento. Agregando-se os empregos indiretos seriam 315 mil novos postos de trabalho no turismo.

Do ponto de vista ambiental, deve-se ter em mente que o saneamento favorece as atividades em o solo. Isso porque o saneamento valoriza as construções existentes e possibilita edificações de maior valor agregado, o que implica aumento do capital imobiliário das cidades. Além de elevar o valor dos ativos e empreendimentos imobiliários, o saneamento possibilita o aumento e a valorização das atividades econômicas que dependem de condições ambientais adequadas para seu exercício, como é o caso do turismo.

A renda desperdiçada com as atividades turísticas subdesenvolvidas alcançou, estimativamente, R$ 9,4 bilhões no ano de 2015. Foram R$ 5,8 bilhões de renda do trabalho que deixou de ser gerada e R$ 3,6 bilhões de lucros e impostos que deixaram de ser arrecadados por conta da degradação ambiental de áreas por falta de saneamento básico.

Especialmente em áreas de grande tradição turística, como o Nordeste, o impacto seria maior. A região perdeu R$ 2,6 bilhões de renda do turismo em 2015 pela falta de saneamento, o que representou 27,5% das perdas no turismo brasileiro como um todo. Em termos de comparação do Brasil com os países vizinhos, aquelas economias latino americanas com melhor desempenho na área do saneamento têm fluxos internacionais e turistas relativamente maiores.

No Brasil, esse número foi de apenas 31 turistas por mil habitantes. E isso ocorreu no ano em que o país sediou a Copa do Mundo de Futebol.

Como cidadãos, temos que ter em mente, entretanto, que somente as ações e os recursos do Governo Federal não serão suficientes. É preciso cobrar mais nossos governantes de todas as esferas (a incluir estaduais e municipais), principalmente considerando que saneamento básico é um direito humano, previne doenças, economiza recursos em saúde pública e valoriza o turismo diversas regiões.

Fonte..:: Trata Brasil

domingo, 30 de dezembro de 2018

segunda-feira, 24 de dezembro de 2018

Prêmio Top Blog 2013/2014

Prêmio Top Blog 2013/2014
1º lugar "Oscar dos Blogs Brasileiros" na categoria Viagem e Turismo Profissional, pelo voto popular.

..:: Últimos Posts ::..

..:: O nós é feito de eus ::..

..:: Feito com Muito Carinho ::..

..:: Feito com Muito Carinho ::..