Turismo Consciente do Litoral de São Paulo = Blog Caiçara!.............Caiçara Expedições Agência de Viagens e Turismo...........Receptivo Baixada Santista - Litoral de São Paulo....Seja Bem Vindo!

..:: Pesquisa Blog Caiçara ::..

sexta-feira, 30 de novembro de 2012

ARTIGO: Primeiros Engenhos do Brasil Colonial e o Engenho São Jorge dos Erasmos: Preliminares de uma doce energia

Por..:: Paulo Sergio Teixeira

Resumo
Questões como as que envolvem as razões que motivaram Martim Afonso iniciar a ocupação em solo brasileiro pelas paragens sulinas, ou mesmo os verdadeiros intentos da viagem de colonização, são abordadas neste artigo com foco especial sobre o Engenho São Jorge dos Erasmos, já que este constitui um dos mais importantes e bem preservados monumentos dessa era de primeiros investimentos em terras brasileiras. Mas restabelecer este diálogo memorável com um passado tão remoto e que tanto nos diz respeito, foi árdua tarefa que envolveu autoridades de todos os âmbitos oficiais. Aqui se busca evidenciar o registro do trabalho de alguns pesquisadores na composição deste passado, lançar algumas possíveis interpretações que envolvem o tema e divulgá-lo. 

Palavras-Chave: Início da ocupação das terras brasileiras; Engenhos de Açúcar da Baixada Santista - século XVI; Preservação do Engenho São Jorge dos Erasmos. 

Abstract
Issues such as those involving the reasons for Martim Afonso start the occupation in Brazilian soil for laying southern fringes, or even the true intent of the voyage of colonization, are discussed in this article with special focus on the Mill of São Jorge dos Erasmos, since this is one of the most important and best preserved monuments of this era of early investments in Brazilian land. But restoring this memorable dialogue with a past so remote and so we are concerned, was arduous task that involved officials from all areas officers. Here one seeks to highlight the record of the work of some researchers in the composition of this past, raises several possible interpretations of the theme and release it. 

Key-words: Start of occupation of Brazil; Sugar Mills from Santos - the sixteenth century; Preservation of São Jorge dos Erasmos. 


Introdução 

Em mais de 500 anos de História, após o desembarque dos primeiros europeus no Novo Mundo, o Brasil tem desenvolvido uma série de processos econômicos condizentes com as mais diversas necessidades de época. Logicamente, todos os grandes ciclos econômicos tiveram essencial importância para o crescimento e fortalecimento de nossa economia, mas aqui nos propomos apresentar, com especial atenção, o ciclo do açúcar em sua primeira fase.

Este que constituiu o pivô de uma nova civilização, permeando com sua presença todos os períodos históricos desde então, justamente agora, depois de legitimada pela intimidade de tanta história e pelas novas necessidades de demanda, vai enveredando-se para uma fase muito promissora. E desta vez, extrapolando os puros interesses econômicos nacionais, para juntar-se ao mundo na composição de um ambiente global menos agredido, menos poluído, mais sustentável, e ao mesmo tempo, com a garantia de energia suficiente.

A história da cana-de-açúcar no Brasil é assim, portanto, um processo que ainda continua a se compor, mas convém lembrar que em suas páginas iniciais, este mesmo processo cruza com o grande projeto de expansão, controle e enriquecimento da metrópole portuguesa, e que afinal, produziu a colonização das terras brasileiras.

Para reconstituir essa história, as ruínas do Engenho de São Jorge dos Erasmos, instalado pelo próprio Martim Afonso quando ainda em São Vicente, é parte fundamental de um passado tão distante. Há mais de cinqüenta anos inúmeros esforços vêm sendo empenhados no trabalho de seu resgate e preservação. 

A instalação oficial do primeiro núcleo populacional do Brasil

Enriquecer com a exploração de imensuráveis terras encontradas dentro da ordem econômica que despontava naquele horizonte, exigiu de Portugal a elaboração de um projeto a longo prazo que articulasse estratégias políticas, poderio militar, empreendedorismo, força de trabalho e tecnologia. Elementos então fundamentais para o sucesso de uma nação quinhentista, e especialmente, de uma nação de pequena extensão territorial mesmo para os padrões europeus, e ainda, uma das nações européias que também naquele momento, emergia com o déficit populacional ocasionado pelo revés da Peste Negra.

... nenhum povo da Europa estava em condições naquele momento de suportar sangrias na sua população, que no século XVI ainda não se refizera de todo das tremendas devastações da peste que assolou o continente nos dois séculos precedentes. Na falta de censos precisos, as melhores possibilidades indicam que em 1500 a população da Europa ocidental não ultrapassava a do milênio anterior. 

... fala-se de colonização, mas o que o termo envolve não é mais que o estabelecimento de feitorias comerciais, como os italianos vinham de longa data praticando no Mediterrâneo, a Liga Hanseática no Báltico, mais recentemente os ingleses, holandeses e outros do extremo-norte e no Levante; como os portugueses fizeram na África e na Índia. Na América a situação encontrava-se de forma inteiramente diversa: um território primitivo habitado por rala população indígena incapaz de fornecer qualquer coisa de realmente aproveitável. Para os fins mercantis que se tinham em vista, a ocupação não se podia fazer como nas simples feitorias, com um reduzido pessoal incumbido apenas do negócio, sua administração e defesa armada; era preciso ampliar estas bases, criar um povoamento capaz de abastecer e manter as feitorias que se fundassem e organizar a produção dos gêneros que interessavam ao seu comércio. A idéia de povoar surge daí, e só daí. 

Aqui ainda, Portugal foi um pioneiro. Seus primeiros passos neste terreno, são nas ilhas do Atlântico, postos avançados, pela identidade de condições para os fins visados, do continente americano; e isto ainda no século XV. Era preciso povoar e organizar a produção; Portugal realizou estes objetivos brilhantemente. Em todos os problemas que se propõe desde que uma nova ordem econômica se começa a desenhar aos povos da Europa, a partir do século XV, os portugueses sempre aparecem como pioneiros. Elaboram todas as soluções até seus menores detalhes. (IGLÉSIAS, 1982, p.86-87)

Após algumas incursões portuguesas esporádicas pelo litoral brasileiro, ao longo de 30 anos após a chegada da esquadra cabralina em Porto Seguro, e por aí ter-se constatado a indesejável presença de outras nações concorrentes, deu-se por D. João III a nomeação de seu conselheiro e amigo Martim Afonso de Souza para, em 1530, comandar uma bem equipada esquadra e, ao que parece indicar as evidências, no intuito de iniciar a ocupação das novas terras, defendê-las e fazê-las prosperar.

D. João por Graça de Deus Rei de Portugal, e dos Algarves, daquem e dalem mar, em África Senhor de Guinee, da Conquista, navegaçam, e Commercio da Ethiopia, Arabia, Persia, e da India: a quantos esta minha Carta virem, faço saber, que para as terras, que Martim Affonso de Souza do meu Conselho achar, ou descobrir na terra do Brazil, onde o Eu envio por meu Capitam moor, que se possam aproveitar, Eu por esta minha Carta lhe dou poder, para que elle dito Martim Affonso possa dar aas pessoas, que comsigo levar, e aas que na dita terra quizerem viver, e povoar, aquella parte das ditas terras, que lhe bem parecer, e segundo lhe merecerem por seus serviços e qualidades; e as terras, que assim der, sera para elles e seus descendentes, e das que assim der aas ditas pessoas, lhes passaraa suas Cartas, e que dentro em dous annos da dita Data cada hum aproveite a sua, e se no dito tempo assim o nom fizer, as poderaa das a outras pessoas, para que as aproveitem com a dita condiçam; e nas ditas Cartas, que assim der, iraa trasladada esta minha Carta de poder, para se saber a todo tempo, como o fez por meu mandato, e lhe ser inteiramente guardada, a quem a der: e porque assim me praz, lhe mandei das esta minha Carta por mim assignada, e sellada com o meu sello pendente. Dada na Villa de Castro Verde a 20 dias do mez de Novembro, Fernam Costa a fez anno do Nascimento de Nosso Senhor Jesus Christo de 1530. (MADRE DE DEUS, 1920, p.110). 

Essa questão é polêmica. Alguns pesquisadores afirmam que não estava entre os planos de Martim Afonso ocupar as terras, mas, como defende a Dra. Wilma Therezinha Fernandes de Andrade:

Os objetivos da esquadra de Martim Afonso eram três: 1. defender a costa brasileira contra os invasores franceses; 2. encontrar metais preciosos nas novas terras, e; 3. tomar posse do Rio da Prata. Washington Luiz foi o primeiro a contestar as verdadeiras razões desta viagem, e pensando bem, se Martim Afonso tivesse a intenção de colonizar, teria viajado com casais entre a tripulação, o que não ocorreu. Não veio nenhuma mulher nesta viagem, elas só chegaram mais tarde, depois dos homens já estarem instalados. (Entrevista, Santos, 04/maio/2011) 

Martim Afonso, com uma frota de cinco navios e aproximadamente 400 tripulantes, chegou pouco mais de um ano após a nomeação, fazendo um longo percurso de reconhecimento da costa até o extremo no Rio da Prata, possivelmente, à procura de paragem excelente ao primeiro passo do projeto de ocupação.


As notícias comunicadas pelos commandantes sobreditos derão bastante noção da Costa Septemtrional; era porém muito diminuto o conhecimento que tinha El-Rei, dos mares e continentes, que demorão ao Sul da Bahia de Todos os Santos até o Rio da Prata [...] ordenou D. João III que se armasse uma esquadra à custa da sua Fazenda, e esta viesse a examinar a costa do Sul até o famoso Rio da Prata. Para Capitão-Mór d’ella nomeou a Martim Affonso de Souza, seu Conselheiro, a quem recomendou, que estabelecesse uma Colônia nas partes do Sul em lugar que julgasse mais commodo para isso. (MADRE DE DEUS, 1630, p.107-108) 

Há suspeitas ainda um tanto obscuras sobre o verdadeiro motivo que levou Martim Afonso a aportar e ter escolhido a Ilha de São Vicente como ponto inicial para o primeiro núcleo populacional da colônia.

Talvez pela não belicosidade dos indígenas da região em questão, pois como defende Frei Gaspar, não teria Martim Afonso instalado núcleo no Rio de Janeiro devido às ameaças que representavam os índios Tamoio. Talvez pela própria constituição geográfica da região, que poderia viabilizar uma boa defesa. Mas muito mais provavelmente, pela presença de uma liderança de interesses diversos e tão curiosa quanto a figura do Bacharel de Cananéia, que não sabemos se rival enquanto cristão novo e degredado, chegado provavelmente com Gonçalo Coelho e Américo Vespúcio em 1502, mas que já instalado nestas cercanias, era reconhecidamente responsável, segundo Francisco Martins dos Santos, pelo abastecimento dos navios espanhóis que por aqui passavam antes de seguir ao Prata, ora, o que podemos entender como uma outra espécie de ameaça em potencial. Com base nos relatos do explorador espanhol Diego Garcia, que esteve em Cananéia em 1528 na viagem de retorno do Prata, Eduardo Bueno afirma o seguinte: 

Não se sabe quem esse homem era, nem como ou quando havia chegado ao Brasil. Sabe-se, isso sim, que se tornara uma espécie de rei branco vivendo entre os índios; que tinha pelo menos seis mulheres, mais de 200 escravos e mais de mil guerreiros dispostos a lutar por ele; que era temido e respeitado por todas as tribos costeiras desde São Paulo até Laguna e que não havia quem ousasse desafiar o seu poder. O Bacharel de Cananéia era o virtual senhor do litoral sul do Brasil Quase todo o resto que se pode dizer sobre ele são meras conjecturas. (BUENO, 1998, p.157) 

Há de qualquer forma, evidências que nos levam a acreditar que um dos grandes motivos de ter-se iniciado a ocupação oficial das novas terras por estas paragens, é de aí estar já constituído um pequeno agrupamento, remanescente de incursões anteriores, e que apesar de mínimo, se encontraria bem fixado, apreendendo e traficando índios sob a liderança também de João Ramalho, do planalto, que por sua vez, mantinha estreita amizade serra acima com os Guaianazes do cacique Tibiriçá, seu sogro. Não por acaso, este lugar era conhecido pelos navegadores como “porto dos escravos”.

Dentro deste conjunto de fatores - pequeno grupo instalado, território parcialmente reconhecido e promissoras possibilidades geofísicas ou estratégicas -, o que se segue é o empenho em desenvolver os meios que garantissem a segurança do povoamento e o desenvolvimento da produção na futura capitania.

Através de seu primeiro donatário, sesmarias eram repassadas por cartas de doação aos empreendedores pioneiros que chegaram com ele e com seu irmão Pero Lopes, o mesmo que recebeu a capitania de Santo Amaro (atual Guarujá). Essa pequena casta de proprietários junto com outras autoridades, denominada à época homens bons, formava as Casas de Câmara e Cadeia, de onde se deliberava as decisões locais e procurava-se garantir a boa ordem e o sucesso nas Vilas das Ilhas de São Vicente e Santo Amaro (chamadas pelos índígenas, Goaió e Guaibe).



Nas Vilas, nos rústicos casarios e templos, os primeiros colonos destas redondezas sobreviviam da caça, da pesca, da agricultura de subsistência e das poucas e caras manufaturas advindas da metrópole. E a moeda de troca era justamente o açúcar produzido nos engenhos erguidos na região no decorrer do século XVI.

Entre 1532 e 1590, temos notícias de nove engenhos de açúcar que foram instalados na região das ilhas vizinhas:

1 - 1532 – Engenho Madre de Deus: fundado por Pero de Góes (Santos Continental, no Morro das Neves e provavelmente nas imediações do Rio Jurubatuba);

2 - 1533 – Engenho de São João: fundado por José Adorno (em Santos, no bairro do Valongo, atual Rua do Comércio);

3 - 1534 – Engenho do Senhor Governador ou do Trato: mais tarde de “São Jorge dos Erasmos”, fundado por iniciativa de Martim Afonso em parceria com João Veniste, Francisco Lobo e Vicente Gonçalves (instalado em São Vicente, atualmente na divisa entre São Vicente e Zona Noroeste de Santos);

4 - entre 1534 e 1544 – Engenho dos Aires: que foi construído por Aires da Cunha (Morro do Saboó, em Santos);

5 - 1560 – Nossa Senhora da Apresentação: fundado por Gonçalo Afonso (Ilha de Santo Amaro, às margens do Rio Curumaú);

6 - 1565 – Engenho de Santo Amaro: fundado por Estevão Raposo (na Ilha de Santo Amaro) ;

7 - 1570 – Engenho de Santo Antônio: fundado por Antonio Fernandes junto à igreja de Santo Antonio de Guaibe (Ilha de Santo Amaro, Guarujá, divisa com Bertioga);

8 - 1580 – Engenho Nossa Senhora das Naus, de Jerônimo Leitão: construído junto ao Mar Pequeno, hoje ruínas do chamado Porto das Naus (em São Vicente);

9 - 1590 – Nossa Senhora do Pilar: fundado pela Companhia de Jesus (à margem direita do Rio Itapanhaú).



De todas estas fundações, destaca-se o Engenho dos Erasmos, pois é o que melhor resgata a história do período em questão. Isso se deve ao fato de suas ruínas, por séculos esquecidas, ter-se encontrado em relativo estado de conservação, o que possibilitou à comunidade científica e às diversas autoridades responsáveis, concentrarem esforços num árduo trabalho de reconstituição e preservação de uma dos momentos mais significativos de nossa história.

O Engenho de São Jorge dos Erasmos 

Cerca de um ou dois anos após a chegada da esquadra, Martim Afonso e seu irmão Pero Lopes de Sousa realizam um contrato comercial com Johan Van Hiest (João Veniste), Francisco Lobo e o piloto-mor Vicente Gonçalves.

O hoje chamado Engenho dos Erasmos teve uma série de denominações desde sua instalação. Era no início chamado “Engenho do Governador” (1533-34?) e posteriormente “Engenho dos Armadores”, ou “do Trato” (1542). Logo depois, devido aos seus primeiros proprietários terem vendido suas partes ao belga Erasmo Schetz (1544), e mais tarde os filhos deste terem completado a compra de todo o lote original, passou a ser conhecido como “Engenho de São Jorge dos Erasmos”.

Ao que tudo indica, no entorno da Ilha de São Vicente, de início, foi próspera a cultura da cana:

De acordo com a organização normal dos Engenhos, na época, foram designados Rui e Francisco Pinto (pai e filho) e Antonio Rodrigues de Almeida, para fornecedores das canas que deviam ser moídas nele, situando-se suas grandes fazendas em toda a região do atual Cubatão. As canas desses três fidalgos, partidistas (associações na produção), juntavam-se às que eram produzidas no próprio lugar do Engenho (antigo sítio S. Jorge), que abrangia os morros da vizinhança (S. Jorge e Água Branca), e garantiam o fornecimento de todo ano. (SANTOS, 1986, p.349)

Segundo o Prof. Domingos Aulicino (1963, p.108), provavelmente baseado nas médias previstas por Roberto Simonsen, havia uma produção estimada em 33.000 arrobas anuais de açúcar na monta de todos os engenhos daqui, o que nos permite deduzir que comércio entre o primeiro núcleo populacional do Brasil e a metrópole, além de estabelecido, possuía já uma certa intensidade:

Para fomentar o commercio, instituio Martim Affonso uma sociedade mercantil, e aos accionistas d’esta companhia chamavão os senhores do engenho S. Jorge, e que o Donatário era o mais interessado; porque sua mulher D. Ana Pimentel no anno de 1542 constituio Feitor da Fazenda do trato ao Capitão-mór Christovão de Aguiar.
Estes Armadores importavão as drogas da Europa, que se havião de vender aos portuguezes, e elles aos índios: o producto exportavão para o Reino em generos da terra, principalmente em assucar, o qual era a moeda corrente d’este tempo. O dinheiro vinha do Reino, e pouco [...].
Aos índios pagavão com ferramentas, contas de vidro, búzios, e outras bagatellas semelhantes, a que chamavão resgate [...]. (MADRE DE DEUS, 1930, p.172-173)

É muito provável, embora pouco se tenha tratado sobre isso, que estas empresas tenham ajudado a compor uma relevante criação de gado na região, pois só assim se poderia satisfazer as carências do transporte de lenha, açúcar, dentre outros bens: “Segundo Benedito Calixto, pintor e historiador [nascido em Itanhaém, naturalizado] santista, quando Martim Afonso de Sousa deixa o país iniciara-se também a pecuária no Engenho de São Jorge.” (PLATAFORMA SOPHIA, 2004, p.15 ). No entanto, sabemos que as primeiras levas de bovinos só chegariam ao Brasil com expedição de Tomé de Sousa, em 1549, o que nos leva a crer que somente a partir daí este tipo de gado teria vingado. E veja-se também que Brás Cubas, fundador da Vila de Santos, tinha especial preocupação a este respeito:

[...] Implantou-se a indústria do couro, de que diretamente participou Brás Cubas, pois em doação de terras, que fez, impôs a condição de ser confiado ao seu cortume o tratamento das peles do gado que em tais áreas se cultivasse. Quer isso dizer existirem outros cortumes, que com ele poderiam concorrer à preferência dos criadores. (AULICINO, 1963, p.109)

Todo este sucesso inicial era visto com indignação por parte das nações concorrentes de Portugal. Invasões de corsários não eram incomuns, e talvez, justamente por isso, é possível concluir-se a necessidade de se proteger os canaviais nas alturas dos morros da ilha ou em planície adentrada, longe da barra, como é o caso do Engenho Madre de Deus, ao pé da Serra do Mar ou mesmo os engenhos no interior das ilhas. Não nos surpreende os cuidados de fortificação ainda presentes nestas ruínas:

A carta é de 13 de maio de 1548, escrita em Santos, na Ilha de São Vicente .

[...] Esta Fazenda é muito boa mas os feitores passados procuraram demasiadamente sua própria vantagem e deixaram perder-se muita terra entre as mãos dos moradores.
Quanto ao casario todo êle que temos aqui é muito bom e forte para os contrários (Os contrários podiam ser os índios ou os franceses). Porque Pedro Rouzée fez muito, a saber uma casa muito grande de 6 lances, e uma senzala com uma ferraria, tôdas provindas com baluartes, e ainda 2 casas cobertas de telhas muito boas e fortes, tais como fêz Brás da Rocha. Tôdas estas casas se erguem numa altura e tôdas juntas e próximas de maneira que nenhuma fazenda seja tão forte para os contrários, nem tenha melhores casas em todos êstes engenhos. Daí que se pode defendê-lo fàcilmente com 3 ou 4 berços (pequena artilharia). Quanto ao engenho, é velho e está para cair e deve ser refeito neste primeiro ano. (RELATÓRIO 24.22, 1971, p.7-8)


Funções de defesa: “seteira” em uma 
das paredes nas ruínas do engenho.

Nos primeiros engenhos do século XVI, com uma população de 9.000 pessoas em toda capitania, dos quais, 3.000 eram escravos em 1548 (MEURS, 1995, p.26 ), a mão-de-obra indígena era certa. Através do trecho a seguir, é possível constatar em números acerca dos trabalhadores neste engenho: “[...] Quanto às escravarias que temos aqui são muito boas e de aproximadamente 130 peças, tanto de machos como de fêmeas, das quais a metade não trabalha pois são crianças e velhos que não são aproveitáveis ” (RELATÓRIO 24.22, 1971, p.7-8).

Sobre a escravidão, tem pairado uma dúvida entre os pesquisadores de nosso tempo: “quando se iniciou o uso da mão-de-obra advinda da África nas capitanias do sul?”.

Em 2001, em trabalho de prospecção realizado pela Universidade de São Paulo e coordenado pelo arqueólogo Dr. José Luiz de Morais, foi localizado um cemitério indígena nas ruínas do Engenho dos Erasmos. As evidências arqueológicas indicam ser este cemitério remanescente do século XVI onde, entre os 19 esqueletos dos indivíduos encontrados, verificou-se um crânio de características negróides. Embora a informação seja correta, não podemos supor o tráfico generalizado nestes tempos, mas apenas a presença inconteste de africanos. A contextualização deste evento ainda dependerá de avanços da arqueologia de campo em nossa região.

O trabalho dos engenhos vicentinos acompanhava a tecnologia disseminada em todos os engenhos que se seguiram por nossas costas, e apesar de aparentemente rústico aos nossos olhos, consistia no que de mais avançado em termos de tecnologia se aplicava à época, visto que das ilhas do Atlântico fora importada aqueles movidos pelas forças da água: os “engenhos reais”. Assim, reconhece-se o Engenho dos Erasmos talvez o único exemplar que restou deste gênero – o açoreano –, remanescente do século XVI, em todo o Brasil.

Há também uma questão interessante acerca do pioneirismo das lavouras e que julgo merecer aqui um adendo: é bem possível que, ao mesmo tempo que a indústria de açúcar despontava na Capitania de São Vicente, também Pernambuco realizasse já suas primeiras experiências com o produto:

No Brasil, não se justifica, nos primeiros tempos, o plantio de um artigo já em superprodução nos mercados portugueses. Com a melhoria dos preços, que se foi verificando a partir da segunda metade do século XVI, incrementaram os portugueses a produção das ilhas e parece que, na terceira década, se plantou cana junto à feitoria de Pernambuco.
Consta que Pedro Capico ali instalara um pequeno engenho e Varhagen refere que, em 1526, já figuravam na Alfândega de Lisboa direitos sobre o açúcar de Pernambuco. (SIMONSEN, 1967, p.96)

Seja lá onde verdadeiramente tudo começou, apesar do sucesso inicial e de uma relativa expansão dos engenhos no sul, dois fatos certamente acarretaram sua suspensão enquanto carro-chefe econômico:

A preferência de interiorização da população do núcleo inicial de São Vicente , rumo ao planalto, serra acima, e;

a melhor sorte dos engenhos de Pernambuco e Bahia, pois como é correntemente sabido, apresentavam melhores condições à produção da cana e estavam bem mais próximos da metrópole portuguesa, o que baratearia o frete e, consequentemente, o preço final do produto:

A maior proximidade em relação ao continente europeu e as vantagens do meio natural, explicam o desenvolvimento extraordinário da grande lavoura no litoral do Nordeste brasileiro, desde os meados do século XVI. Durante grande parte do período colonial, outras razões econômicas de modo a fazer do litoral do Nordeste, sobretudo das áreas de Salvador e Recife, os centros de gravitação da vida colonial. Além do Nordeste, vamos encontrar também no Maranhão e no Rio de Janeiro outras áreas de grande importância econômica, baseada na grande lavoura. (HOLANDA, 1960, p.202)

Atualmente ainda há especulações sobre quais as verdadeiras razões para a decadência da lavoura açucareira na capitania de São Vicente. Apesar do consenso sobre o clima favorável e a proximidade do Nordeste em relação à Europa, alguns defendem várias outras razões, mas mesmo assim, trata-se de uma incógnita porque foi uma ruptura muito marcante:

Nem as condições favoráveis de Pernambuco, nem a ocupação do planalto, nem mesmo o espaço limitado de São Vicente ou talvez a qualidade inferior da cana-de-açúcar vicentina, todavia, explicam completamente porque os campos e engenhos em São Vicente foram abandonados em uma época em que os preços do açúcar estavam extremamente elevados. (MEURS, 1995, p.28)

A partir daí, a evolução da produção e das exportações do açúcar do Nordeste, suplantou definitivamente a produção sulina. Foi uma época em que os paulistas, por exemplo, se lançaram com a força à procura de novas fontes de riqueza, buscando metais preciosos pelos rincões do sertão, mas, principalmente, lançando-se ao apresamento dos indígenas para o trabalho escravo, que apesar de oficialmente proibido por D. Sebastião em 1570, acabou como uma lei que na prática não vingou.
Acompanhemos a evolução das exportações no gráfico adaptado a partir dos estudos de Vera Lúcia Amaral Ferlini:


Podemos observar números de exportação significativos em 1570, com cerca de 60 engenhos de açúcar instalados por todo o Brasil, produzindo um total de 180.000 arrobas e lideradas, sobretudo, por Pernambuco, que neste ano já possuía 5 vezes mais engenhos de açúcar em relação ao sul. Mas a explosão acontece na virada do século XVI pára o XVII, sofrendo em seguida uma abrupta queda na terceira década, que apesar de contar os cerca de 400 engenhos ao todo, é explicado devido ao achamento dos metais preciosos entre 1695 e 1730 em Minas Gerais, Goiás, Mato Grosso e Bahia, além da gradual evolução de outros produtos.


As ruínas do engenho e os esforços de preservação 


Ruínas do Engenho São Jorge dos Erasmos.

Em 1952, a Professora Maria Regina Rodrigues, então aluna do 2º ano de História na Universidade de São Paulo, quando em trilha ecológica com seu grupo de bandeirantes, se deparou com as ruínas do Engenho dos Erasmos. Sem perder tempo, contatou o especialista do IPHAN Luís Saya, mas o tombamento acabou por se completar somente em 1963 . Posteriormente, foi também tombado pelo CONDEPHAAT (Conselho de Defesa do Patrimônio Histórico, Arqueológico, Artístico e Turístico do Estado de São Paulo), em 1973, e pelo CONDEPASA (Conselho de Defesa do Patrimônio Cultural de Santos), em 1990 .

O terreno com as ruínas pertencia a Edgard de Toledo, que possuía parte da firma N. R. Santos e Cia. Em 1943, a área foi adquirida por Octávio Ribeiro de Araújo, que a loteou com o nome de Vila São Jorge. Este terreno estava bem na divisa entre as cidades de Santos e São Vicente.

Octávio Ribeiro, ouvindo os técnicos do CONDEPHAAT, resolveu prestar auxílio à preservação do lugar e, em 31 de janeiro de 1958, acabou por doar o lote com as ruínas à Universidade de São Paulo.

O monumento permaneceu intocado até 1982, quando a Ciesp (Centro das Indústrias do Estado de São Paulo) mostrou interesse, junto com outros órgãos, de consolidar as ruínas. Um ano depois, a Ciesp, a Prefeitura de Santos e a Prodesan (Progresso e Desenvolvimento de Santos) se propuseram a assinar um convênio para sua recuperação.

Após este momento, é possível constatar-se uma série de chamadas nos jornais de Santos. Manchetes e denúncias visavam chamar a atenção das autoridades e da comunidade em geral sobre o abandono do monumento.

Após uma ação judicial envolvendo a Pratex Empreendimentos Imobiliários, impedida de construir no local pelo Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (SPHAN), esta acabou por entrar em acordo com a Prefeitura de Santos, doando, em 1987, os cerca de 41 mil metros quadrados do entorno aos 3.200 m² onde estavam as ruínas em si.

Por fim, em 1988, a Universidade de São Paulo formou uma comissão de estudos e promoveu um seminário sobre o Engenho dos Erasmos. Os trabalhos de recuperação do bem histórico teriam se iniciado.

Em 1990, foi contratado pela USP o arquiteto holandês Paul Meurs para analisar o conjunto histórico e propor meios de viabilizá-lo. Pretendia-se investir em pesquisas arqueológicas e transformar o local em um atrativo turístico.

No dia 15 de abril de 1992, USP e Prefeitura de Santos assinaram um termo de cooperação técnico-administrativa visando sua recuperação. Depois disso, dois trabalhos de prospecção arqueológica foram realizados com base nas informações da existência de um cemitério fotografado, em 1957. pelo historiador santista Jaime Caldas.

Em uma parceria entre USP, através da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH), Universidade Católica de Santos (UniSantos), Prefeitura Municipal de Santos (pelo CONDEPASA), CONDEPHAAT e IPHAN teve início a primeira prospecção arqueológica e, entre 1996 e 1997, foi desenvolvido o “Projeto de Pesquisa Interdisciplinar Engenho São Jorge dos Erasmos”, sob a coordenação da Dra. Margarida Davina Andreatta, arqueóloga do Museu Paulista. Mais tarde, de 2002 a 2003, com financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (FAPESP), coordenado pelo Prof. José Luiz de Morais, novas escavações arqueológicas foram desenvolvidas, e desta vez, com especial atenção ao antigo cemitério do engenho.

Uma das questões polêmicas que envolvia o processo, era sobre deixar as ruínas intocadas tais como eram, ou se poderia ser viável uma intervenção direta sobre as estruturas que restavam. Após um longo debate envolvendo autoridades acadêmicas e opinião pública, a Universidade de São Paulo iniciou algumas obras de restauração e consolidação sobre parte do que restou do engenho a partir de 2004. Os trabalhos de monitoramento das obras foram acompanhados por equipes de arqueologia. Em todos eles (prospecções e monitoramento), contou-se com a participação efetiva do Instituto de Pesquisas em Arqueologia (IPARQ), então órgão de pesquisas arqueológicas da Universidade Católica de Santos, sob a direção da arqueóloga Dra. Eliete Pythágoras Britto Maximino.

Nas duas fases mais recentes, entre 2006 e 2008, a Universidade de São Paulo instalou uma base de estudos avançados, contando hoje com sala de aulas e multi-meios, auditório, biblioteca, laboratório de arqueologia e uma reserva técnica, bem como a colaboração de dois educadores que coordenam as ações educativas no espaço.

Hoje, a ênfase dada à educação da comunidade escolar da região, é um diferencial do que vem sendo desenvolvido atualmente pela Universidade de São Paulo. Estudantes de várias escolas públicas e particulares visitam diariamente este museu ao ar livre. Assistem palestras, fazem pesquisas, dinâmicas e outras atividades específicas. Além dos estudantes, em sua maioria das cidades de Santos e São Vicente, outros grupos agendam passeios, inclusive vindas do interior do Estado de São Paulo. Segundo o Prof. Dr. Rodrigo Christofoletti, há uma preocupação muito especial com questões sócio-históricas e ambientais junto aos estudantes.

..:: BIBLIOGRAFIA 

AB'SABER, Aziz Nacib; HOLANDA, Sergio Buarque de. A época colonial, volume 1: do descobrimento à expansão territorial. 7ed. São Paulo: Difel, 1985. (Col. História geral da civilização brasileira)

ALVES FILHO, Ivan. Brasil, 500 anos em documentos. Ed. Mauad. [ver no CDBS].

ANJOS, Fernanda Maria Felipe dos. Engenho São Jorge dos Erasmos: uma abordagem interdisciplinar do documento na Arqueologia Histórica. Dissertação de Mestrado, USP. São Paulo: 1998.

AULICINO, Domingos. Santos “Porta Aberta ao Mar”. São Paulo: IMPRES, 1963.

BUENO, Eduardo. Náufragos, traficantes e degredados: as primeiras expedições ao Brasil 1500-1531. Rio de Janeiro: Objetiva, 1998. (Col. Terra brasilis (Objetiva), v. 2).

FERLINI, Vera Lúcia Amaral. A civilização do açúcar – séculos XVI e XVIII. São Paulo: Brasiliense, 1984. (Col. Tudo é história, v.88)

FURTADO, Celso. Formação econômica do Brasil. 34ª ed. São Paulo: Companhia das Letras, 2007.

HOLANDA, Sérgio Buarque de. História geral da civilização brasileira, t.1, v.2. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1960.

IGLÉSIAS, Francisco (org.). Caio Prado Júnior: História. São Paulo: Ática, 1982. (Col. Grandes cientistas sociais, n.26). p.81-95.

MADRE DE DEUS, Frei Gaspar da. Memórias para a história da Capitania de São Vicente, hoje chamada de São Paulo e notícias dos annos em que se descobrio o Brazil. 3ed. São Paulo; Rio de Janeiro: Wiszflog Irmãos, 1920.

MEURS, Paul. Engenho dos Erasmos – vestígios de uma primeira multinacional. In: Leopoldianum, v. XVIII, n.49, Santos, abr.1991, p.85-91.

_____. Engenho São Jorge dos Erasmos: estudos de preservação. In: Cadernos de pesquisa do LAP/USP – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo (Série Preservação e Restauro), São Paulo, n.07, jul./ago.1995.

MORAIS, José Luiz de (coord.). Relatório “Arqueologia dos Erasmos”. São Paulo: Universidade de São Paulo, 2002.

PLATAFORMA SOPHIA. Ruínas Engenho São Jorge dos Erasmos. São Paulo: USP/Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária, 2004.

REIS, Nestor Goulart. Os engenhos da Baixada Santista e os do litoral norte de São Paulo. In: Revista USP Dossiê Engenho dos Erasmos, n.41, São Paulo, mar./abr./maio 1999, p.62-73.

RELATÓRIO ENGENHO SÃO JORGE DOS ERASMOS do Centro de Documentação da Baixada Santista. “Relatório dos alunos” - FAFIS, 1971. Pasta 24.22.

SANTOS, Francisco Martins dos. História de Santos, v.1. São Vicente: Caudex,1986.

_____. História de Santos, v.2. São Vicente: Caudex,1986.

SIMONSEN, Roberto Cochrane. História econômica do Brasil (1500-1820). 5ed. São Paulo: Cia. Editora Nacional, 1967.

VARNHAGEN, Francisco Adolfo de. História geral do Brasil: antes da sua separação e independência de Portugal. 8ed. São Paulo: Melhoramentos, 1975, 5t.

SITES 

Blog Caiçara.  Engenhos coloniais de cana de açúcar.  18/jan./2011.  Disponível em:
http://www.blogcaicara.com/2011/01/engenhos-coloniais-de-cana-de-acucar.html 

Jornal Eletrônico Novo Milênio. Disponível em:
http://www.novomilenio.inf.br/
Acessado em abr. 2011.

Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional. Disponível em:
http://portal.iphan.gov.br/portal/montarPaginaInicial.do;jsessionid=FF59586FC95963B7D02260E58D03209C
Acessado em abr. 2011.

Universidade de São Paulo – Pró-Reitoria de Cultura e Extensão Universitária.
Disponível em: http://www.usp.br/prc/engenho/
Acessado em abr. 2011.

JORNAIS E REVISTAS 

A TRIBUNA. Arquiteto holandês apresenta plano para recuperar Engenho dos Erasmos. Santos, 09 de abril de 1991, p.19.

A TRIBUNA. Martim Afonso começou agroindústria em 1532. Santos, 29 de outubro de 1995, p.A-16.

A TRIBUNA. USP autoriza construção no Engenho dos Erasmos. Santos, 29 de agosto de 1989, p.30.

INFORMATIVO UNISANTOS. O Iparq no desenvolvimento da pesquisa arqueológica regional. Santos, fev./mar. 2000, p.8.

INFORMATIVO UNISANTOS. Ossadas podem revelar um cemitério indígena. Santos, jun./jul. 2003, p.8.

INFORMATIVO UNISANTOS. UniSantos e USP assinam convênio inédito para estágio no Engenho dos Erasmos. Santos, ago./set. 2010, p.4.

INFORMATIVO UNISANTOS. UniSantos e USP firmam convênio para pesquisas. Santos, jun./jul. 1999, p.8.

ISTO É BRASIL 500 ANOS. São Paulo: Editora Três, 1998.

MORENO, Leila Kiyomura. Ruínas resgatam a vida no Brasil quinhentista. Jornal da USP, ano XII, n.367, 21 a 27 de outubro de 1996, p.

TOMAZ, Arylce Cardoso. Restaurado, Engenho dos Erasmos pode ser nova atração turística. Jornal Cidade de Santos, 24 de junho de 1985.

Fonte..:: Letras Polivalentes
Obs: Autorizado publicação pelo autor por email no dia 27 novembro de 2012.

(publicação_consulta, fatos_históricos)

Saiba mais..:: 

Engenhos Coloniais de Cana-de-Açúcar Baixada Santista - AQUI









Nenhum comentário:

Postar um comentário

A Caiçara Expedições agradece sua participação!
obs: Os comentários são moderados.

Mantenha contato! Muita Luz>>>

Prêmio Top Blog 2013/2014

Prêmio Top Blog 2013/2014
1º lugar "Oscar dos Blogs Brasileiros" na categoria Viagem e Turismo Profissional, pelo voto popular.

..:: Últimos Posts ::..

..:: O nós é feito de eus ::..

..:: Feito com Muito Carinho ::..

..:: Feito com Muito Carinho ::..