Fique Antenado no Maior Blog de Turismo Consciente do Litoral de São Paulo = Blog Caiçara!.............Seja Bem Vindo! Participe!............. Prêmio Top Blog 2013/2014 - 1º lugar "Oscar dos Blogs Brasileiros" na categoria Viagem e Turismo Profissional, pelo voto popular.

..:: Pesquisa Blog Caiçara ::..

Carregando...

sexta-feira, 15 de abril de 2011

Macaco Muriqui Maior Macaco das Américas - Macaco Mata Atlântica - Mono-Carvoeiro

Também conhecido como Mono-Carvoeiro os muriquis são os maiores macacos das Américas. Eles estão ameaçados de extinção e correm sério risco de desaparecer para sempre, se não fizermos nada para protegê-los.

Os cientistas reconhecem duas espécies de muriquis. O muriqui-do-sul, batizado de Brachyteles arachnoides, e o muriqui-do-norte, batizado de Brachyteles hypoxanthus. A espécie do sul ainda é encontrada nos estados do Paraná, São Paulo e Rio de Janeiro, enquanto a do norte é encontrada nos estados de Minas Gerais e Espírito Santo, mas também já habitou o sul da Bahia.

Os muriquis são encontrados apenas na Mata Atlântica brasileira, esta magnífica floresta, que já se estendeu do Rio Grande do Norte ao Rio Grande do Sul. Ela ocorre ao longo do litoral atlântico, sendo uma das florestas mais ricas em biodiversidade de todo o mundo.

A Mata Atlântica foi a primeira vegetação brasileira a ser explorada pelos colonizadores europeus, sendo hoje uma das florestas tropicais mais ameaçadas do Planeta.

Nós e os Macacos Muriquis
Quando Cabral chegou ao Brasil, devia ter mais de um milhão de muriquis na natureza. Atualmente existem apenas cerca de mil muriquis-do-norte, isolados em pequenas populações, altamente ameaçadas de extinção.

Essa grande redução das populações de muriquis se deve à nossa própria espécie: o Homo sapiens. A explosão populacional dos seres humanos nos últimos séculos levou a uma super-exploração dos recursos naturais da Terra, provocando a destruição dos habitats naturais e a extinção de espécies.

A Mata Atlântica, habitat natural dos muriquis, foi reduzida a fragmentos florestais isolados, onde muitas espécies de plantas e animais estão ameaçadas de extinção.

No ano de 1500 havia 400 milhões de seres humanos, em 1800 cerca de 900 milhões. Após a Segunda Guerra Mundial, por volta de 1950, já éramos 2 bilhões e 500 milhões e agora já somos cerca de 6 bilhões e 700 milhões de seres humanos espalhados por todos os cantos do Planeta.

A Vida Social
Os muriquis, como a maioria dos primatas, são animais altamente sociais. Vivem em grupos de machos, fêmeas e filhotes e normalmente andam em grupo pela floresta. Algumas vezes machos e fêmeas se separam temporariamente. Em matas maiores, os grupos sociais podem conter até cerca de 100 muriquis.

Em Santa Maria de Jetibá Espírito Santo, os grupos de muriquis raramente passam de 15 indivíduos. Eles vivem em matas pequenas, que não são capazes de sustentar grupos maiores. Esses pequenos grupos isolados correm sério risco de extinção dentro de algumas décadas.

Ao contrário de muitos primatas, machos e fêmeas de muriquis não diferem muito em tamanho do corpo e dos dentes caninos. Mas é fácil distinguir o sexo, porque eles possuem órgãos genitais bem desenvolvidos e salientes.

Em geral os machos tem relações pacíficas entre si e não brigam pelas fêmeas. Estas, quando estão sexualmente receptivas, copulam com vários machos do grupo. Sendo assim, é difícil saber quem é “o pai da criança”.

Na sociedade dos muriquis, as fêmeas adolescentes migram para outro grupo onde terão seus filhotes. Os machos permanecem no grupo em que nasceram. Esse comportamento evita o acasalamento entre parentes próximos. Normalmente a fêmea tem o primeiro filhote por volta dos oito anos de idade.

Vivendo sobre as árvores
Após uma gestação de, aproximadamente, sete meses, a fêmea muriqui dá à luz um filhote de cada vez, raramente dois. Os pequenos muriquis se agarram aos pelos da região ventral da mãe e são assim carregados por cerca de um mês. Depois são carregados no dorso por 18 meses, mas aos poucos vão aprendendo a andar sozinhos e ganhar independência.

Os filhotes mamam até cerca de três anos de idade e nos seis primeiros meses de vida o leite materno é o alimento mais consumido. A partir do terceiro mês começam a experimentar o que a mãe come. Mesmo quando maiores, os filhotes continuam a seguir suas mães pela floresta.

Os muriquis passam a maior parte de suas vidas nas árvores, mas, eventualmente, vão ao chão. Além do movimento quadrúpede sobre os galhos das árvores, típico da maioria dos macacos, os muriquis também andam pendurados pelos braços, movimento chamado braquiação.

A dieta dos muriquis é tipicamente vegetariana. Passam a maior parte do tempo comendo folhas, mostrando preferência pelas mais novas. Também comem muitos frutos, mas não dispensam algumas flores, talos, néctar e, até mesmo, cascas de árvores.

A barriga grande, comportando um longo intestino, é uma adaptação dos muriquis à dieta folívora, que requer tempo e espaço para fermentação da celulose.

Os muriquis aproveitam a água dos alimentos, mas às vezes é preciso um complemento. Água é um recurso valioso e nem sempre fácil de encontrar. Na época das chuvas, os muriquis podem beber a água que se acumula em bromélias e nos ocos das árvores, mas nas épocas mais secas, é preciso se arriscar na beira de um córrego.

Ao beberem em córregos os muriquis podem ser pegos de surpresa por um predador. Mas, atualmente, o maior perigo é a contaminação das águas pelos esgotos humanos e por agrotóxicos.

Como a maioria das espécies numa floresta tropical, os muriquis interagem com muitas plantas e animais. Ao comerem frutos, eles dispersam sementes. Ao se alimentarem de néctar, polinizam as flores.

Os muriquis também podem ser caçados por predadores naturais e podem competir por alimentos com outras espécies que vivem nas árvores. Todas essas interações fazem parte de processos ecológicos naturais que vêm evoluindo há milhões de anos.

Fonte..:: Biodiversidade.org

..:: SAIBA MAIS ::..
Três primatas brasileiros estão na lista mundial - 25 mais ameaçados - Aqui no Blog Caiçara

(planeta animal)
Comentários
1 Comentários

1 comentários:

  1. Olá,
    estou com uma dúvida.

    Encontrei um, mais não sei bem se é o Mono-Carvoeiro.
    As fotos estão no meu Blog: apiaiportaldamataatlantica.blogspot.com

    Eu penso que seja o Mono-Carvoeiro mesmo,
    desde já agradeço, até mais.

    ResponderExcluir

A Caiçara Expedições agradece sua participação!
obs: Os comentários são moderados.

Mantenha contato! Muita Luz>>>

Prêmio Top Blog 2013/2014

Prêmio Top Blog 2013/2014
1º lugar "Oscar dos Blogs Brasileiros" na categoria Viagem e Turismo Profissional, pelo voto popular.

..:: Últimos Posts ::..

..:: O nós é feito de eus ::..

..:: Feito com Muito Carinho ::..

..:: Feito com Muito Carinho ::..